setembro 16, 2011

Artista Plástico Richard Calil Bulos, o Chachá.




Imortal em sua obra. 
A pintura de Richard Calil Bulos não segue estilo ou escola, é ele considerado um naif, porém a obra deste artista não é somente decorativa ou ornamental é, sobretudo a reportagem de um tempo e de um tipo. Se nos detivermos a estudar suas cenas veremos personagens que sempre estarão com os rostos voltados para as águas, fontes de alimento e sobrevivência. Homens aliados comungando com seus grupos o enfrentamento do mar, são os que povoam as criações do artista. Os implementos da pesca, a embarcação, os balaios vazios, as habitações, as condições do sujeito pintado, são a crônica imagética de tudo que o pintor capta ao observar a vida e o espaço do pescador artesanal na região de Laguna ao litoral sul de Santa Catarina

Richard fez exposições, tem suas telas espalhadas por Santa Catarina, pelo Brasil e para fora do país. Inconfundível no traço, Chachá conforme é conhecido sempre manteve fidelidade a sua temática e seus modelos, ou seja o cotidiano dos pescadores e suas famílias.

Desde criança mostrou interesse pela comunicação e o desenho nos gibis onde criava textos e os ilustrava. Ainda recentemente Richard produzia de forma artesanal e independente seus jornais, onde deixava muito claras as reivindicações do cidadão politizado que é, em charges e legendas plenas de humor e sátira. Atuou como assessor de imprensa em várias gestões na Prefeitura Municipal de Laguna/SC . Richard, contudo, sempre marcou fortemente a presença com a originalidade do seu jornalismo.
As imagens produzidas por Richard remetem a poética de um peculiar universo social, ao modus vivendi de um cidadão em ligação direta com as águas oceânicas e lacustres que o circundam.

O conjunto da obra richardiana é carregado de uma função onde a estética sai de seus limites e invade áreas como a Geografia, Economia, Ecologia, onde um colorido acervo sinaliza para uma Educação de urgências a favor da vida, não apenas do sujeito pescador mas uma vida que atinge a todos nós, que se encadeia e se esgota em sua fragilidade, na agressão e desprezo ambientais que vem sofrendo.

Richard Calil Bulos nasceu a 6 de outubro de 1935 na cidade do Rio de Janeiro e viveu em Laguna -Santa Catarina desde os três anos de idade até seu falecimento em 31.10.2007.


fonte: http://www.gargantadaserpente.com/veneno/mafabami/23.shtml

5 comentários:

  1. Valeu Renato! Obrigado pela homenagem ao meu sogro, ele era gente boníssima! Grande Chachá...
    Paulo Aisenman

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela lembrança, Renato. Meu pai foi um grande artista com certeza, lembrar de sua arte é algo que fará com que as gerações que chegam posso também conhecê-lo. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Chachá traduzia em traço e cor, uma pintura classificada como ingênua, mas eu não concordo. Continha muito mais além, a revelação quase profética de um povo sem rosto e um corpo sem cor, apático e à mercê da dádiva gratuita da mãe natureza, sem reagir. Daí o contraste. Um ambiente extremamente colorido e rico, com um ser humano quase que despersonalizado, ao contrário dele, que tinha coragem de dizer na letra e no pincel.

    ResponderExcluir
  4. Ótima lembrança de uma grande pessoa e de um ótimo trabalho.

    ResponderExcluir
  5. Lembro-me tão bem... Seu chachá assim chamava comprando tintas na papelaria que trabalhava... sempre com suas histórias e alegres versos de vida... saudade mesmo

    cida

    ResponderExcluir

1. Voce é livre e responsável por seus comentários, todos serão publicados desde que devidamente assinados por seus autores, reservo-me o direito de excluir comentários com ofensas ou injúrias a quem quer que seja.
2. Devido a tantos comentários sem identificação, infelizmente somente publicaremos os comentários que atendam tais propósitos.
3. Ofereça seu ponto de vista, é muito importante.